Arte da Bahia

A arte baiana é um capítulo especial da arte no mundo. A Bahia é a terra onde nasceu o Samba, a Capoeira e o trio elétrico. A criatividade está na alma dos baianos e a Bahia é uma fonte infinita de inspiração.

Os artistas baianos brilharam na arte sacra dos séculos 17 ao 19. O sincretismo religioso, desenvolvido na Bahia, tem papel de destaque na arte baiana.

A Bahia é a terra de Dorival Caymmi, do poeta Castro Alves, do cineasta Glauber Rocha e de muitos outros artistas de renome internacional.

A Escola de Belas Artes, da UFBA, fundada em 1877, é uma das mais tradicionais e melhores de toda a América.

O secular Anjo da Vitória, concepção do artista baiano João Francisco Lopes Rodrigues, no alto do Monumento Riachuelo, de 1874.

A arte neoclássica brilhou na Bahia na segunda metade do século 19.

A magnífica talha dourada barroca da Igreja de São Francisco, por artistas baianos do século 18.

Do século 17 ao início do século 19, a Bahia era o grande centro da arte brasileira. A arte sacra espalhada pelas igrejas baianas são um imenso patrimônio artístico nacional.

Orixás da Bahia representados no Dique do Tororó, em Salvador. São esculturas do artista plástico baiano Tatti Moreno. A Bahia é o maior centro de sincretismo religioso do Brasil.

Zumbi dos Palmares, na Praça da Sé, da escultora baiana Márcia Magno.

A arte marcial baiana une-se à arte plástica. Nesta foto, dos anos 1950, mestres da Capoeira praticam sua arte junto a esculturas de Mário Cravo, o Tocador de Berimbau, à direita.

A Capoeira nasceu na Bahia. Não veio da África, pois não existe lá qualquer referência dessa luta, exceto aquelas levadas por brasileiros. Tem origem, entretanto, em rituais africanos, como o jogo das zebras, mas este tinha cabeçadas, o que não existe na luta baiana. Na África, os guerreiros lutavam com lanças e escudos. No Brasil, essas armas eram proibidas aos escravos, por isso desenvolveram a Capoeira.

Na primeira metade do século 20, a Capoeira foi sistematizada como arte marcial pelos grandes mestre baianos, como Bimba, Pastinha, Waldemar da Paixão (à direita, na foto) e outros.