A bossa nova foi criada pelo baiano João Gilberto, como demonstra a monumental obra Chega de Saudade, do mineiro Ruy Castro.

João Gilberto desenvolveu a Bossa Nova a partir de 1955, sozinho com seu violão. Acompanhava apenas a incompreensão dos outros, que não entendiam como os gênios trabalham. Ele criou não apenas o ritmo, mas também o estilo de cantar.

Ao retornar ao Rio de Janeiro, em 1957, vindo de Juazeiro, na Bahia, sua terra natal, João Gilberto passou a apresentar-se, impressionando à todos da vanguarda musical da época, com seu novo estilo. Ele e seu violão eram um só instrumento. Afinadíssimo.

Ao ouvir João Gilberto e sua nova música, Tom Jobim desempacotou Chega de Saudade, uma composição sua com Vinícius de Moraes, e convidou o músico baiano para acompanhá-la numa gravação com Elizeth Cardoso. Chega de Saudade tornou-se, assim, a primeira música gravada com o novo ritmo, em 1958. Tudo indica, entretanto, que Chega de Saudade fosse originalmente um samba, adaptado depois para o novo ritmo de João Gilberto.

Outros grandes compositores como o capixaba Roberto Menescal, o carioca Carlos Lyra e o paraense Billy Blanco aderiram ao novo estilo musical. Nos anos ’60, a Bossa Nova ganhou o mundo. Depois do samba, outro ritmo baiano, é o estilo musical brasileiro de maior repercussão internacional.

Chega de Saudade de Ruy Castro. Uma obra prima assentada em criteriosa pesquisa. Em sua 3ª edição, apenas João Gilberto na capa.

A baiana Astrud Gilberto e sua marcante voz da Bossa Nova, acompanhada por Stan Getz.

Astrud Evangelina Weinert nasceu em Salvador, em 1940. Casou-se com João Gilberto, em 1959 e mudou-se para os Estados Unidos em 1963, onde mora. Em 2008, recebeu um Grammy por sua carreira.

Tom, um dos maiores gênios musicais que habitaram a Terra, quando abordado sobre a criação da Bossa Nova sempre falava: … e aí veio João Gilberto com aquela batida. Mas não foi só o ritmo, foi o estilo completo. Nessa foto (Manchete), publicada no livro de Castro, Tom ensina Sinatra a cantar baixinho, como João Gilberto. Tom também trocou seu piano pelo violão para as gravações com Sinatra, em 1967.

Os gênios se entendem. Jorge Ben Jor, ele só, é um capítulo especial da MPB. Em entrevista à Roda Vida da TV Cultura, realizada em 16 de fevereiro de 1995 (disponível no Youtube), ele declarou:

“Quando eu comecei, …eu ouvi muito Bossa Nova, mas uma pessoa só: João Gilberto. João Gilberto foi meu ídolo, ainda é… Bossa Nova é João Gilberto. Nunca ninguém tocou igual a ele, da Bossa Nova… ele é a Bossa Nova.”

Vinicius, que compôs Chega de Saudade com o Tom, gostava mesmo era de outro ritmo baiano: o samba. Em 1974, foi viver com sua amada baiana, em Itapuã, época em que compôs, com Toquinho, sambas memoráveis com temas da Bahia. Na foto, a escultura do poeta no bairro onde ele viveu, em Salvador.